Tumulto em funeral de Soleimani deixa ao menos 35 mortos

Geral

Qassem Soleimani será sepultado nesta terça-feira (7) em Kerman


Pelo menos 35 pessoas morreram e outras 48 ficaram feridas durante um tumulto na cerimônia do funeral de Qassem Soleimani, em Kerman, sua cidade natal no Irã, informou a imprensa local nesta terça-feira (7).A confusão aconteceu enquanto o caixão do general iraniano, morto no último dia 2 de janeiro em um ataque dos Estados Unidos em Bagdá, era preparado para ser sepultado. Segundo a imprensa, as vítimas teriam morrido pisoteadas.Tumulto em funeral de Soleimani deixa ao menos 35 mortosFoto: EPA / Ansa - BrasilSAIBA MAISAs desculpas do papa Francisco após tapa na mão de mulher na praça São PedroQual o tamanho do poderio militar do IrãPor que o general iraniano Qasem Soleimani foi morto pelos EUA e o que acontece agoraNovo ataque aéreo dos EUA deixa mais vítimas em BagdáO número de mortos ainda deve ser atualizado pelos serviços de emergência. Milhares de pessoas participam do cortejo fúnebre carregando bandeiras do país e fotos de Soleimani. Imagens da TV estatal mostram os iranianos tomando as ruas de Kerman. Diversas autoridades do Irã discursaram na cerimônia.O corpo do comandante, considerado o segundo homem mais poderoso do país, atrás apenas do líder supremo aiatolá Ali Khamenei, será enterrado no chamado Cemitério dos Mártires depois de quatro dias de homenagens.O cortejo teve início na cidade de Ahvaz, passou pelo município sagrado de Mashhad e depois seguiu para a capital Teerã. Lá, Khamenei liderou uma cerimônia nos arredores da Universidade local e a filha do general, Zeinab Soleimani, afirmou que a morte de seu pai "trará dias mais escuros" aos Estados Unidos. Além disso, ela ressaltou que "o plano maligno" do presidente americano, Donald Trump, de causar separação entre Irã e Iraque falhou.

-Enquanto ocorre o funeral, o Parlamento do Irã aprovou por unanimidade uma moção que classifica todas as forças armadas dos Estados Unidos como "terroristas", além de destinar cerca de 200 milhões de euros para apoiar a Força Quds, chefiada pelo Soleimani antes de sua morte.

Compartilhe